13/08/2012

Era doce 1

Todos os anos festejo o aniversário, todos. E como todos gostamos que se lembrem de nós nesse dia, com uma palavrinha que seja. Nos últimos anos, são muitas as palavras no mundo virtual, cada vez menos as reais; reflexo dos tempos, sim. Contentamo-nos com pouco, com atenções mais impessoais, com um "Parabéns, beijinhos" bem intencionado - e não desvalorizo a atenção, pessoas que não nos davam os parabéns há anos passaram agora a fazê-lo outra vez, e se foi bom reencontrá-las, melhor ainda se têm esse cuidado. Outros costumavam ligar-nos ou enviar mensagens e agora confiam ao virtual a tarefa; nada contra, se calhar afastámo-nos, se calhar eles não têm tempo para mais.

Só que há pessoas de quem esperávamos mais. Aquelas que se lembram sempre, que telefonam sempre, aquelas que esperávamos que estivessem sempre lá. De repente, um belo dia, não estão, e nem sequer se lembram que existimos, nem sequer no nosso dia de anos. Ficamos tristes.

Depois, prometemos a nós próprios que vamos tentar não fazer isso às pessoas de quem gostamos. E agradecemos ter havido quem se lembrasse e se desse ao trabalho.

3 comentários:

RedNudeBlogger disse...

gosto de ti miúda. gosto de ti desde o tempo em que partilhamos a mesa da escola. e pronto ... era só isso.

izzolda disse...

E só isso já é bastante fofinho :D Também gosto de ti! **

Rosa disse...

AH, como te compreendo! Mas eu não me limito a ficar triste, fico furiosa - e expresso-o junto dos interessados - quando alguém que me é próximo se limita a dar-me os parabéns no Facebook, por exemplo.